Blog

/Blog/
19 07/2019

Você pratica atividade física? Então precisa ler isso

2019-07-19T10:15:16-03:0019 de julho de 2019|Notícias|0 Comentários

Todo mundo fala que para ter uma vida saudável é preciso duas coisas: alimentação balanceada e atividade física regular. Porém, não é só isso que faz com que sua saúde esteja em dia. O excesso e a falta de preparo podem ser grandes inimigos, inclusive, do seu coração. Então, atleta, temos um recado muito importante para você: cuide do seu coração

Uma as coisas mais importantes quando se fala em manter a saúde é o check-up – tanto para quem ainda vai iniciar uma atividade física quanto para aqueles que já praticam.

As avaliações de pré-participação são fundamentais para garantir a segurança da prática esportiva e o principal foco desta avaliação, sem sombra de dúvida, é o aparelho cardiovascular.

Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física, é necessária uma boa anamnese médica, que deve ser complementada por um exame clínico e eletrocardiograma de repouso. No caso de pacientes com mais de 35 anos, um teste ergométrico também é necessário.

Um erro comum entre quem pratica alguma atividade física é negligenciar os check-ups periódicos. Muitos passam por exames quando iniciam as atividades e depois não os repetem.

Nosso corpo se adapta a cada ciclo de treinamento. Portanto, mais importante do que avaliar é poder controlar tais modificações fisiológicas.

A palavra check-up vem de uma base de exames capazes de fazer um rastreamento de doenças mais prevalentes, com elevada taxa de morbimortalidade. A adaptação deste check-up ao esporte apresenta uma complementação de exames capazes não só de rastrear doenças, mas de fornecer aos treinadores informações importantes da aptidão física de cada praticante. Quanto mais completo for o check-up, mais dados estes atletas têm para avançar com segurança na prática esportiva.

Na Cardiovascular Mastercenter você realiza seus exames e conta com profissionais capacitados para te acompanhar, seja atleta iniciante ou avançado. Ligue e marque a sua consulta!

12 07/2019

Homens também podem ter varizes e o não cuidado pode levar a consequências extremas

2019-07-12T07:36:43-03:0012 de julho de 2019|Notícias|0 Comentários

No próximo dia 15 de julho é comemorado no mundo todo o Dia do Homem. A data, criada para atentar sobre a saúde masculina, não poderia ser mais necessária, já que a maioria dos homens não se cuidam corretamente e só procuram ajuda médica quando o quadro está muito evoluído. Uma das doenças vasculares mais comuns entre os homens são as varizes – isso mesmo, os vasinho que tanto afligem as mulheres também são coisa de homem e se não tratados, podem levar a complicações.

Segundo estimativa da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, 30% do sexo masculino pode ter varizes em algum momento da vida. Como já falamos anteriormente em outros artigos, elas podem causar sintomas como dores, sensação de peso ou cansaço nas pernas, acompanhados ou não de inchaço.

O fator familiar é o mais importante para o seu aparecimento — há um caráter genético ainda não bem estabelecido. Com o avanço da idade e o afrouxamento dos tecidos, as varizes tendem a ser mais visíveis mesmo com a presença dos pelos nas pernas. É só nesse momento que o homem, em geral, percebe que tem o problema.

Flebite, já ouviu falar?

A principal complicação das varizes é a flebite – quadro que envolve a formação de trombos dentro das veias dilatadas, sangramento e, em uma fase mais tardia, o surgimento de feridas. Por isso é importante fazer o diagnóstico logo cedo e seguir para o tratamento.

A condição é diagnosticada por um médico — os especialistas que lidam com as varizes são o angiologista e o cirurgião vascular — por meio de um exame físico e, se necessário, a realização de um ultrassom doppler dos membros inferiores, método que permite avaliar melhor a situação e já fazer um planejamento cirúrgico.

Confira o relato de um paciente:

A Cardiovascular é especialista na sua saúde. Ligue agora e marque a sua consulta!

5 07/2019

Quando devo procurar um angiologista?

2019-07-05T09:49:31-03:005 de julho de 2019|Notícias|0 Comentários

Você sabe o que o médico angiologista faz? É ele quem cuida dos vasos sanguíneos, linfáticos, suas doenças e complicações. Essa é uma área delicada e que, muitas vezes, passa despercebida no dia-a-dia, mas que pode trazer complicações muito sérias para os pacientes. 

Sintomas como vasos arroxeados, dor ou dormência na panturrilha são indicativos que é a hora de procurar um angiologista e evitar transtornos maiores para esses sintomas. Cuidar da saúde é muito importante!

Dores nas pernas, câimbras constantes, cansaço e pernas inchadas são outros dos sintomas que indicam que a saúde não está bem e que talvez seja a hora de procurar o especialista. Nem sempre a dor é levada a sério e muitas vezes pessoas preferem evitar procurar um médico, ou se aconselham com um especialista que não está apto a fazer um diagnóstico.

O tratamento de varizes, por exemplo, é importante, porque, além de ser um problema de saúde real e que pode trazer complicações, elas ainda deixam o paciente esteticamente comprometido, causando problemas de autoestima e de autoaprovação.

Além das varizes mais aparentes, os vasinhos também causam sintomas inflamatórios e devem ser tratados. Mesmo sendo um problema sem risco de vida iminente, deve ser levado a sério.

Na hora de procurar um angiologista, veja profissionais capacitados e que podem realmente resolver seus problemas, que  tenham uma equipe preparada para qualquer tipo de tratamento.

Apenas um médico dessa especialidade está apto a realizar diagnósticos e tratamentos. Não use tratamentos caseiros ou tome qualquer tipo de remédio sem uma prescrição médica. Isso pode trazer mais complicações.

28 06/2019

3 sinais de infarto que você deve ficar de olho

2019-06-28T09:22:34-03:0028 de junho de 2019|Notícias|0 Comentários

A dor no peito é só a ponta do iceberg quando o assunto é infarto. Ele ocorre quando uma ou mais artérias que levam oxigênio ao coração (chamadas artérias coronárias) são obstruídas abruptamente por um coágulo de sangue formado em cima de uma placa de gordura (ateroma) existente na parede interna da artéria. Contudo, até o infarto, existem alguns sintomas ignorados pela maioria das pessoas. Para deixar você de olho na sua saúde vascular, a Cardiovascular Mastercenter listou 3 sinais que você não pode deixar passar batido.

Por que isso é importante? Marque no relógio: no tempo que você levará para ler este artigo, pelo menos dois brasileiros sucumbirão ao infarto, a causa de morte número 1 em nosso país e em boa parte do mundo, segundo a OMS. Então, preparado?

É óbvio que as pontadas agudas no peito são a face mais conhecida e comum do infarto. Mas nem sempre essa sensação dá as caras. Aliás, um músculo cardíaco em parafuso se entrega por outras vias também. “Entre elas, podemos citar dificuldades para respirar, palidez, suor frio, náuseas, vômitos, tontura, confusão mental, perda de consciência e dores difusas nas costas, nos braços e na mandíbula”, lista o médico Agnaldo Píspico, da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

Falta de ar

Às vezes o primeiro sintoma se externa como dor na região do tórax e peito, podendo irradiar de formas diferentes, pelos ombros, costas, braços, pescoço e até mandíbula. A sensação de aperto no peito pode interferir nos pulmões, traduzindo-se na dificuldade de respirar. Tamanho desconforto no paciente, isso pode gerar uma falta de ar.

Náusea, indigestão, azia ou dor abdominal

Por causa desses sintomas, muitas vezes o problema é confundido como um simples desconforto digestivo. O estabelecimento entre problemas gastrointestinais e o coração está relacionado a conexão entre diferentes estruturas do sistema nervoso que transmitem o estímulo doloroso e a região atingida. Se a obstrução aconteceu na porção inferior do coração, por exemplo, é natural experimentar desconfortos como regurgitação e azia.

Tontura

Algumas semanas antes de um infarto, também é possível vivenciar tonturas. Por isso, é importante evitar dirigir nesse caso, pois arritmias e desmaios podem colocar em risco você e os outras pessoas. O que acontece é que a baixa oxigenação no cérebro, ocasionada pelo batimento irregular do coração, pode causar tontura. Esse sintoma também não surge sozinho, acompanhado de outros, como fraqueza e palpitações.

A avaliação cardíaca precoce e repetida com regularidade pode retardar e até mesmo evitar a ocorrência de doenças do coração. A Cardiovascular Mastercenter é referência em toda região e possui cardiologistas renomados na área.

19 06/2019

Qual a influência do inverno nas varizes?

2019-06-19T12:56:30-03:0019 de junho de 2019|Notícias|0 Comentários

O inverno chegou e aos poucos vamos sentindo na pele o ar mais frio e a temperatura caindo. Contudo é nessa época, também, que muitos mitos e verdades surgem. Alguns dizem que a época é a melhor para cuidar do problema vascular. Outros salientam problemas, mas para dar o veredito final, vamos falar tudo o que você precisa saber sobre a doença na estação mais fria do ano.

Já adiantamos de cara: o inverno é a melhor época para se livrar das varizes e dos “vasinhos”, sim. Alguns dos tratamentos necessitam de pontos ou deixam hematomas nas pernas, o que torna a exposição ao sol proibida por, no mínimo, 30 dias.

Além disso, se o tratamento incluir a microcirurgia de varizes, o uso de meias elásticas pode ser necessário, o que é mais fácil com a temperatura mais baixa. Mesmo que o tratamento seja feito para melhorar o aspecto estético, é preciso uma avaliação médica para checar vasinhos visíveis ou, ainda, a possibilidade de haver varizes e microvarizes.

Mantendo sua saúde vascular no inverno 

Além do mais, o tempo frio é um grande amigo dos pacientes portadores de Insuficiência venosa crônica, pois nesta época eles tem menos edema (Inchaço) e sentem menos dores nas pernas.

O sangue tem um papel muito importante na manutenção da temperatura corporal. No frio esta função é ainda mais importante. Se os vasos por onde passa o sangue estão com problemas, no inverno, quando eles são mais exigidos com a temperatura baixa, podemos começar a sentir certos sintomas que devemos ficar atentos.

Para entender melhor o que acontece vamos falar da má circulação, ou dificuldade de circulação nas pernas que na medicina é denominada, doença arterial periférica, e acontece quando as artérias dos membros inferiores responsáveis por levar o sangue que sai do coração cheio de nutrientes e oxigênio para as extremidades, apresentam algum problema que dificulta a chegada deste sangue. 

Quando andamos por exemplo, precisamos de energia, glicose e oxigênio que são levados pelo sangue para que os músculos envolvidos no movimento possam trabalhar. Precisamos também de uma boa irrigação sanguínea para nutrição da pele, tecidos, unhas, pelos ossos enfim para todo tecido vivo.

As artérias quando somos jovens são lisas e capazes de conduzir todo o sangue necessário para as nossas necessidades. Com o passar dos anos, elas vão se desgastando assim como todo o organismo e neste processo de degeneração elas podem apresentar acúmulo de gordura em suas paredes, o colesterol por exemplo, que vai causando um estreitamento da parte interna do vaso, dificultando a passagem de sangue. Esta gordura acumulada pode obstruir parte do vaso e se não for tratada pode chegar a obstruir toda a passagem de sangue em um determinado segmento do vaso sanguíneo.

Contudo, mesmo que o inverno traga maior vantagens, os procedimentos vasculares podem ser feitos em qualquer estação do ano. Para saber mais, entre em contato conosco e saiba dos benefícios que nossa clínica pode oferecer a você!

14 06/2019

Escleroterapia: técnica ajuda no combate as doenças vasculares

2019-06-14T09:41:27-03:0014 de junho de 2019|Notícias|0 Comentários

Existem muitos tratamentos contra as temíveis varizes, mas poucos são tão eficazes quanto a escleroterapia. Ela é um tratamento feito pelo médico angiologista para eliminar ou diminuir veias e, por isso, é muito usado para tratar vasinhos na pele ou varizes.

Após o tratamento com escleroterapia, a veia tratada tende a desaparecer ao longo de algumas semanas e, por isso, pode ser preciso até um mês para observar o resultado final. Este tratamento pode, também, ser usado em outros casos de veias dilatadas, como hemorroidas ou hidrocele, por exemplo, embora seja mais raro.

Dentre os métodos, a laser é uma das mais requisitadas. Não é invasivo e pode apresentar resultados satisfatórios logo nas primeiras sessões, dependendo da quantidade de vasos a serem tratados. A escleroterapia a laser reduz os microvasos ao aumentar a temperatura dentro do vaso através da emissão de uma luz, que faz com que o sangue retido no interior seja deslocado para outro vaso e ocorra a destruição e reabsorção do vaso pelo organismo. O calor faz com que haja uma pequena inflamação no local, fazendo com que as varizes se fechem e percam sua função. Para entender melhor, confira o vídeo:

A escleroterapia a laser é indicada para pessoas que têm medo de agulha, possuem alergia à substância química que normalmente é utilizada ou possuem uma região no corpo com muitos vasos pequenos. É um procedimento rápido, que dura cerca de 20 a 30 minutos por sessão e que não há muita dor em comparação aos outros procedimentos. 

Escleroterapia Ampliada

A escleroterapia ampliada trata as pequenas veias nutridoras dos vasinhos e os vasinhos também. O detalhe é a aplicação de maior volume de líquido esclerosante por uma técnica especial abrangendo as veias e vasinhos. Nesta técnica o médico trata a raiz dos vasinhos e muitas vezes evita uma cirurgia. Não necessita repouso e possibilita pronto retorno às atividades.

Os procedimentos podem ser realizados na nossa clínica, que fica localizada no Marcenter Shopping, segundo piso, sala 201, no Centro de Muriaé. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (32) 3722-9216.

7 06/2019

MAPA: o que você deve saber sobre o procedimento cardíaco

2019-06-07T08:36:20-03:007 de junho de 2019|Notícias|0 Comentários

A pressão arterial sofre diversas variações ao longo do dia, inclusive alterações em resposta a determinadas circunstâncias, como estresse e cansaço. Dessa maneira, a medição momentânea realizada no consultório oferece ao médico uma visão limitada do quadro. A monitorização ambulatorial da pressão arterial, conhecida como MAPA, é um método de medição automática da pressão arterial realizada através de um aparelho que é colocado no paciente.

As medidas da pressão arterial são feitas a cada 15 a 20 minutos durante o dia e a cada 20 a 30 minutos durante a noite, sendo este processo semelhante ao realizado durante as consultas médicas. O exame tem a duração próxima de 24 horas e as medidas são armazenadas neste dispositivo e, posteriormente, transferidas para o computador, que permite a análise dos dados coletados.

Trata-se de um exame indicado rotineiramente para pacientes com suspeita de variação de pressão arterial ou mesmo para aqueles que já estão em tratamento.

No entanto, o MAPA é especialmente indicado nos casos em que, por qualquer razão, há suspeita de que os valores medidos no consultório não refletem a realidade do dia a dia ou ainda quando há necessidade de estudar o caso com mais profundidade, como observar a relação entre os sintomas e a pressão, por exemplo.

Além disso, o exame pode auxiliar o médico nos diagnósticos diferenciais, como a hipertensão episódica, mascarada ou resistente ao tratamento. E também na avaliação de sintomas relativos à pressão baixa — hipotensão.

Segundo pesquisadores espanhóis, a MAPA é o melhor método para prever o risco de morte em pacientes hipertensos na prática clínica, sendo melhor que as medidas realizadas em ambiente médico. 

Além do procedimento, a Cardiovascular Mastercenter oferece um amplo serviço destinado ao cuidado das saúdes cardíacas e vasculares. Ente em contato conosco e agende o seu horário!

31 05/2019

Ecocardiograma transtorácico: sua saúde cardíaca em primeiro lugar

2019-05-31T10:35:23-03:0031 de maio de 2019|Notícias|0 Comentários

Graças a tecnologia podemos ajudar muito mais pessoas e entender com maior precisão as doenças que acometem o sistema cardiovascular. Entre os equipamentos utilizados pela Cardiovascular Mastercenter está o ecocardiograma transtorácico, que oferece uma imagem mais nítida e real da situação da saúde do paciente.

O ecocardiograma transtorácico é uma técnica não invasiva, baseada na aplicação de ultrassons para o estudo da anatomia e função do coração. Por meio de equipamentos de ultrassons (ecocardiógrafos) e com a utilização de “sondas” (transdutores)  é possível visualizar as cavidades cardíacas, as estruturas valvulares e os fluxos do sangue no interior do coração.

A tecnologia permite de forma simples e direta detectar e caracterizar as eventuais alterações cardiovasculares, para ajudar a decidir a melhor e mais adequada forma de tratamento, sendo um método de diagnóstico muito utilizado para a investigação de alterações estruturais e/ou funcionais do coração.

O ecocardiograma transtorácico em repouso é o tipo de ecocardiograma mais comum, além de ser um exame indolor. A decisão sobre a necessidade de realizar qualquer exame é sempre tomada pelo médico, em função das características individuais de cada paciente e das suas queixas ou doença. Em regra, o ecocardiograma transtorácico em repouso pode ser aconselhado para avaliar a existência de alterações cardíacas morfológicas e/ou funcionais passíveis de estar relacionadas com queixas dos pacientes.

Quer saber mais? Tem interesse no procedimento? Então entre em contato conosco. Estamos aqui para te ajudar!

24 05/2019

Risco cirúrgico: a importância da avaliação pré-operatória

2019-05-24T08:41:33-03:0024 de maio de 2019|Notícias|0 Comentários

A Cardiovascular Mastercenter é uma das clínicas mais completas da região. Além do tratamento de varizes e doenças vasculares, também oferecemos o risco cirúrgico para o paciente. Embora muitos não sabia do que se trata o serviço, ele é importantíssimo para o sucesso das cirurgias cardíacas, representando um dos passos primordiais do pré-operatório.

O risco cirúrgico compreende os procedimentos avaliatórios realizados antes do procedimento e quais os cuidados relacionados ao paciente, tudo com o objetivo de garantir a melhor condição de sua saúde para o momento em que ele passar pela intervenção.

Se você está considerando fazer uma cirurgia ou, por alguma questão de saúde, precisará passar por uma intervenção cirúrgica eletiva.

Essa avaliação sofre influência de fatores relacionados à idade, doenças crônicas, histórico familiar do paciente e de características do próprio procedimento cirúrgico ao qual ele será submetido. Por isso, a determinação do risco cirúrgico faz parte de uma avaliação pré-operatória completa e eficiente.

Anamnese (entrevista com o paciente), exames físicos, de diagnóstico e laboratoriais podem ser usados para calcular o risco cirúrgico.

Dependendo do quadro do paciente, qualquer alteração nos resultados pode causar preocupação e estresse, mesmo que não sinalize doença.

E esse estresse pode interferir na evolução após a cirurgia, aumentando o tempo de recuperação e de internação do paciente.

Calcular o risco cirúrgico é importante para diminuir as chances de morte, de sequelas e de complicações após a operação.

Também é essencial na redução de ameaças potenciais durante a cirurgia, principalmente se o paciente integra grupos de risco. Pacientes que realmente se beneficiam desses testes são os que têm fatores de risco, sintomas ou histórico que levantem alguma hipótese de doença.

De maneira geral, a avaliação clínica é a mais relevante antes de uma cirurgia, sendo que outros exames podem ser recomendados para complementar esse diagnóstico.

Dependendo da gravidade da operação, testes simples costumam ser requisitados, em especial aqueles que monitoram o sistema cardiovascular.

Formado por coração e vasos sanguíneos, o aparelho cardiovascular é o mais sobrecarregado durante procedimentos cirúrgicos e, por isso, precisa estar em boas condições. Caso contrário, o médico solicitante pode reagendar ou até cancelar a cirurgia, a fim de não comprometer o estado de saúde do paciente.

Ficou com dúvidas ou quer saber mais sobre o acompanhamento do risco cirúrgico? Então ligue para a nossa clínica e marque uma consulta. O telefone é o (32) 3722-9216.

Carregar mais postagens