Saúde vascular

//Pé diabético pode ser um tormento para quem vive com a doença

Pé diabético pode ser um tormento para quem vive com a doença

2019-05-03T07:18:02+00:003 de maio de 2019|Notícias|0 Comentários

Em qualquer momento que um paciente diabético, na maioria das vezes mal controlado, percebe uma anormalidade no seu pé, seja de sensação, temperatura, cor, deformidade dos ossos do pé ou tecidos dessa região, presença de inflamação ou infecção, estamos diante da possibilidade de um pé diabético. A doença é uma complicação do diabetes mellitus e ocorre quando uma área machucada ou infeccionada nos pés desenvolve uma úlcera (ferida).

O aparecimento do pé diabético pode ocorrer quando a circulação sanguínea é deficiente e os níveis de glicemia são mal controlados. Qualquer ferimento nos pés deve ser tratado rapidamente para evitar complicações que possam levar à amputação do membro afetado.

Entre os sintomas mais comuns estão os formigamentos nos membros inferiores e a sensação de queimação (que tipicamente melhoram com o exercício). A diminuição da sensibilidade pode apresentar-se como lesões traumáticas indolores – às vezes o diabético se machuca, não percebe e essa lesão pode aumentar e infeccionar.

Sabemos que alguns diabéticos tem uma tendência maior de desenvolver problemas nos pés do que outros. Mas alguns fatores vão implicar em maior risco: níveis elevados de glicose e hemoglobina glicada, sinalizando o ruim controle da doença, o que predispõem a mais complicações.

A falta de cuidados com os pés também ocasiona problemas. É importante que o diabético tenha muita atenção ao cortar as unhas dos pés, mantenha-os aquecidos e protegidos sempre, além de escolher sapatos confortáveis.

Muitas pessoas que têm pé diabético não se preocupam em realizar exames nos pés anualmente. Esse é o principal erro de quem quer evitar o problema. Assim como exames em olhos, rins e coração, os pacientes com diabetes precisam realizar exames para os pés pelo menos a cada seis meses.

Deixar Um Comentário